O Navio Negreiro

O Navio Negreiro
Autor (a) : Castro Alves

Preço sugerido: Sob consulta

Para saber sobre o processo de compra deste livro, escreva para: projetosespeciais@globaleditora.com.br.

Sinopse

“‘A 7 de setembro (1868), o poeta incendeia a platéia do Ginásio Literário, ao declamar pela primeira vez O navio negreiro”, escrito em São Paulo e que marca o pináculo de sua inspiração social, realmente ‘o maior acontecimento de nossa poesia’, no dizer de Grieco.'” Mário Mendes Campos

“Também os primeiros românticos sentiram a antinomia oprimido-opressor: mas nativistamente, idealisticamente, haviam individuado no índio o pólo antibranco da realidade sociológica brasileira. Castro Alves desloca o problema e leva para o primeiro plano o verdadeiro escravo do Brasil: um negro desarraigado de seu país e inserido à viva força num contexto paisagístico ao qual permanecerá sempre estranho.” Luciana Stegagno Picchio

“Castro Alves é um poeta que une visualidade e oralidade. Se observarmos os seus poemas mais conhecidos, como ‘Vozes d’África’ ou ‘O navio negreiro’, vislumbraremos o quanto é possível cada um desses famosos textos serem cadernos de gravuras, em que uma imagem completa a outra, na lógica irrefutável do sonho. Tanto em ‘Vozes d’África’ como em ‘O navio negreiro’, a visão é a de quem contempla do alto, com as asas do futuro, desde os filhos da África, livres, em sua terra, até as cenas da tragédia no mar que os torna escravos sob o açoite.” Carlos Nejar

“Segundo Afrânio Peixoto, autor da edição mais completa do Poeta, ao livro dos Escravos pertenceriam ‘Vozes d’África’ e ‘O navio negreiro’, os dois poemas em que o Poeta atingiu a maior altura do seu estro.” Manuel Bandeira

“Em ‘Vozes d’África’ e em ‘O navio negreiro’, a cada instante o pensamento social é soterrado pelo pensamento poético, o fato pela metáfora, o real pelo idealizado. Ele (Castro Alves) compreendeu, ou pelo menos sentiu, o que nenhum contemporâneo (exceto Varela) parecia compreender ou sentir: o que confere a uma obra de arte poder sobre o tempo não é a causa que ela defende, ou o sentido de que se imbui. É sua qualidade.” Fausto Cunha

Ficha Técnica

Edição: 1ª edição
Formato: 16 cm de Largura x 23 cm de Altura
32 páginas
4 X 4 Cores
Peso: 49 gramas
ISBN: 978-85-260-1308-7
Código de Barras: 9788526013087